Buscar
  • Pedro Sarmento

Montagem de gruas suspensa no Porto

A Câmara Municipal do Porto decretou a suspensão da montagem de gruas após a queda da grua do passado dia 20 de Abril.


Imagem da queda da grua de 20/04/2019 cuja causa não é consensual

O facto de ter sido registada a queda de duas gruas no espaço de 10 semanas, levou o Sr. Presidente Rui Moreira a decretar a criação de um grupo de trabalho para rever os procedimentos de autorização e fiscalização das gruas no município do Porto.


No entanto, até que esse grupo de trabalho chegue a alguma conclusão, não está autorizada a montagem de qualquer grua na cidade, mesmo aquelas que já tenham a validação da C.M.P..



O procedimento geral de aprovação das gruas consistia, de forma resumida, numa descrição genérica do local a implantar a grua e uma declaração de responsabilidade pela sua montagem. Desta forma, a C.M.P. estaria sempre salvaguardada de responsabilidades.


Ao mesmo tempo, a C.M.P. impunha, por vezes, determinadas condições de montagem que aumentavam a dificuldade da montagem e exigiam determinados cuidados que não estavam previamente previstos nos orçamentos contratualizados pelos donos de obra.


Ora, com o elevado número de obras em curso, a mão de obra qualificada a escassear e, por vezes, difíceis condições de montagem dos equipamentos, aumenta-se o risco de ocorrerem sinistros como os referidos.


Imagem da queda da grua de 10/02/2019 devido a assentamento da sua fundação

No estudo que a Add Building realizou antes da queda da segunda grua, referia-se os cuidados que todos os intervenientes na obra deverão ter na validação prévia da documentação da grua, preparação do terreno e montagem e manutenção da grua.


Esses intervenientes são a empresa fornecedora da grua que deverá assegurar a qualidade do material, o empreiteiro geral da obra que deverá garantir as condições necessárias à montagem adequada da grua (nomeadamente a preparação do terreno de fundação), a equipa de montagem da grua, a C.M.P. quando impõe condições de montagem particularmente difíceis, o dono da obra que deverá ser sensível à impossibilidade do empreiteiro prever em fase de orçamento os custos a ter com a montagem da grua num local imposto pela C.M.P. e as empresas de gestão e fiscalização que deverão exigir o cumprimento de determinados procedimentos, nomeadamente:

Este é o procedimento que a Add Building pratica nas suas obras.






Fontes

Jornal de Notícias


100 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo